Participação da indústria na economia brasileira sobe para 22%

A industrialização vem se tornando um dos principais meios de interação da economia brasileira. Sendo um dos principais setores a possibilitar uma maior rentabilidade e influência no Produto Interno Bruto (PIB) esse setor chamou atenção do mercado econômico e vem ganhando mais força.

Com investimentos em conhecimento, treinamento intensivo e gestão equilibrada as indústrias vem se destacando e ganhando com isso novos enfoques. A atividade industrial consiste em todo um processo de transformação, onde se extrai uma matéria prima e a partir dai são transformadas em bens de consumo. As indústrias que atualmente mais vem movimentando a economia são as de extração/ de base e as de serviços de utilidade pública, elas são responsáveis por trabalhar diretamente com a retirada da matéria prima do meio natural e fazem a transformação dessa matéria que se encontra na forma bruta.

A procura do mercado de trabalho nos setores industriais

Devido a essa crescente no mercado o meio industrial vem se tornando um atrativo a jovens ingressantes no mercado e trabalhadores que buscam um emprego rentável e uma estabilidade. Pessoas com um conhecimento prévio no meio industrial são prioridade para essas indústrias e qualificação é uma grande porta de entrada.

Essa qualificação vai de cursos de iniciação focado na indústria, passando por aperfeiçoamento, cursos técnicos, graduação tecnológica, pós-graduação e extensão. Todos esses serviços são oferecidos por instituições especializadas no assunto, como é o caso do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), que oferece cursos em diferentes modalidades para agregar ainda mais valor na formação profissional dos interessados na área.

Essa instituição tem como principal objetivo capacitar e aperfeiçoar trabalhadores da indústria que irão fazer parte desse mercado, fazendo com que assim o setor continue movimentando a economia.

O SENAI RJ 2021 e o SENAI SP 2021 são algumas das unidades que oferecem essa qualificação com diversos cursos em mais de 28 áreas de atuação. Desde a sua formação o Senai vem formando e qualificando pessoas para o ingresso no mercado de trabalho com um conhecimento mais técnico e focado na sua área de interesse de atuação.

Com unidades em todo o país e sendo uma instituição privada, mas com interesses públicos, o SENAI vem mostrando ser a principal escolha e a mais assertiva para jovens e adultos que tem o interesse em ingressar no mercado de trabalho de forma mais capacitada e nos setores industriais que trabalham com o objetivo de cada vez mais movimentar a economia do país gerando novos empregos e com isso um retorno econômico cada vez mais crescente.

Passo a passo para obter a bolsa para pós-graduação dos seus sonhos

Muitas pessoas desejam iniciar sua pós-graduação logo depois de se formar na graduação. No entanto, nem sempre têm condições financeiras de pagar essa especialização. Entretanto, há diversas formas de obter bolsas de estudos e ter acesso à promoções. Saiba que é possível qualificar-se e alavancar a carreira pagando bem menos. 

O Governo Federal criou diversos programas onde disponibiliza bolsas de estudo tanto para graduação, como também para pós-graduação. As inscrições para bolsas de estudos são feitas de forma simples e prática.

De modo geral, é de suma importância ficar sempre atento (a) aos programas governamentais e das próprias instituições de ensino. 

Cada programa possui as suas próprias regras para aqueles que desejam fazer um curso com desconto, seja com promoções ou bolsas de estudo. 

Para que você possa ficar por dentro de todas as informações sobre como conseguir ser contemplado com bolsas de estudo, continue nos acompanhando, pois trouxemos detalhes importantes referentes a estes procedimentos! 

Como conseguir bolsas de pós-graduação?

Atualmente, há diversas opções para conseguir uma bolsa de pós-graduação. Se você deseja realizar um curso de pós-graduação em uma instituição privada, saiba que é importante verificar todas as políticas institucionais da faculdade de interesse, afinal de contas, a maioria delas disponibilizam promoções e descontos para essa modalidade. 

Já se você deseja se especializar em uma instituição pública, saiba que também há formas de ingressar sem pagar nada. 

A seguir, confira os principais órgãos públicos que fornecem este tipo de apoio:

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)

Este é um dos órgãos que concedem bolsas para alunos de mestrado e doutorado. No entanto, os acadêmicos devem se dedicar exclusivamente às atividades acadêmicas e de pesquisa, além de estarem cursando mestrado ou doutorado apenas, ou seja, escolher seguir por uma formação acadêmica.

Diferentemente de outros programa, a bolsa do CNPq é paga diretamente aos estudantes e varia entre R$ 1,5 e R$ 2,2 mil, dependendo da especialidade. 

FAPESP

Outro órgão que oferece bolsas de estudos para pós-graduação, sendo mestrado, doutorado e pós-doutorado é a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). Ela é uma instituição pública. 

Os valores das bolsas e todos os processos seletivos variam de acordo com cada bolsa de estudo ofertada.

SENAC

O Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) possui um programa de bolsas de estudo, com o intuito de auxiliar o estudante financeiramente e incentivar os seus estudos. 

Para obter mais informações sobre, basta apenas acessar o site oficial do Senac! 

Fonte: educamais2021.com.br

Escolas brasileiras atuais estão longe de ser o ideal para uma boa educação

Independente do momento histórico vivido, a educação sempre se apresentou como ferramenta de propagação e inserção cultural. Hoje, na contemporaneidade ela se tornou um direito fundamental institucionalizado.

A democratização da educação é fundamental para manter uma unidade democrática. Com isso, teremos  um número cada vez maior de  cidadãos mais bem formados. Assim, é possível articular um projeto político que busque diminuir as desigualdades sociais, a violência e promover o crescimento econômico.

Segundo levantamentos da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), o percentual da taxa de analfabetismo de pessoas a partir de 15 anos em 2019 apresentou um aumento de apenas 0,2% em relação ao ano anterior.  Tudo isso significa que em 2019 o Brasil apresentava a cifra de 11 milhões de analfabetos nessa faixa etária.

Dados do Instituto Brasileiro de Geográfia e Estatística (IBGE) concluíram que em 2019 63,5% dos jovens com idades entre 18 e 24 anos não haviam concluído a educação básica (ensinos fundamentais e médios) e não frequentavam a escola.

Segundo os dados, o período de maior abandono escolar ocorre entre o ensino fundamental e o médio.

Entre os motivos responsáveis pela evasão escolar apontados pelos jovens, os principais foram: necessidade de trabalhar e falta de interesse. Para os homens, a necessidade de trabalhar alcançou o percentual de 50%, enquanto que as mulheres apresentaram o desinteresse como principal fator (24,1%). Entra os possíveis tarefas realizadas pelo grupo feminino, 11% afirmam que as atividades domésticas são responsáveis pelo abandono escolar.

Essas informações nos levam a um cenário bastante alarmante, apresentando dados que levam a refletir que as práticas adotadas no ensino público devam ser repensadas e possivelmente reformuladas.

Estudiosos afirmam que, apesar de estarmos no século 21, a escola no Brasil ainda pensa e tenta resolver os problemas do século passado. Apesar do empenho de grande parte dos professores, o sucateamento das escolas públicas brasileiras não permite o avanço que se espera.

A desvalorização do profissional da educação, a precarização das escolas e o pouco interesse público em mudar os dados apontados anteriormente são as principais características do cenário da Escola brasileira na atualidade. Tudo isso nos aproxima cada vez mais da falência de uma proposta de universalização do ensino promovida pela constituição de 1988.

Salvo alguns poucos exemplos de modelos de escolas que podem ser apontadas como verdadeiramente cumpridoras do seu papel social, de forma geral percebemos que as instituições públicas de educação básica tem apresentados mais pontos negativos, o que faz com que a exceção seja bem mais desejada do que a regra.

Alguns especialistas apontam que para que que haja mudança nesse preocupante cenário é preciso que toda a sociedade civil se uma e se responsabilize de forma direta, participando mais ativamente da vida escolar, ou indireta, cobrando melhores resultados a respeito dos investimentos públicos.